A decisão de um pai 7 Comentários


Apesar das frivolidades e da perda de tempo, a internet me permitiu descobrir histórias impressionantes, as quais eu não teria acesso apenas com os livros e enciclopédias as quais tive acesso. Neste texto, eu quero falar de uma história um tanto quanto perturbadora, mas bem interessante.

No final do século 19, na região de Labrador, no Canadá – curiosamente a região nada tem haver com a raça de cães, e sim com o nome de um explorador português -, um caçador armador – tipo de caçador que fazia armadilhas para capturar suas presas – vivia com sua esposa e sua filha de dois anos em uma floresta a uma certa distância de algumas cidades de Labrador – afinal, necessitava estar em meio à natureza para caçar.

kirkina

Um dia, entretanto, durante o inverno, sua mulher necessitou de cuidados médicos – algumas fontes citam que ela tivera um parto -, e o armador partiu em busca de um médico, deixando ambas sozinhas. Entretanto, o clima tinha piorado, e o armador demorou dias para voltar, sem a ajuda médica.

Quando chegou em casa, o armador seu surpreendeu com o cenário: a lenha tinha acabado, e sua esposa estava morta, congelada – e o bebê também. Sua filha ainda estava viva, e foi rapidamente em direção do pai, quando ele percebeu que os pés de sua filha ficaram congelados, e pedaços caiam a cada passo dela – um efeito assustadoramente comum conhecido como frostbite.

Ele precisava tomar uma decisão rápida. Os pés da menina estavam gangernando, e ela necessitaria de ajuda urgente, ou morreria.

Rapidamente, o armador pegou seu machado, e cortou as duas pernas da menina, pouco abaixo do joelho, e estancou o sangramento – tudo isso sem nenhum anestésico. Rapidamente, ele levou sua filha até o médico, que sobreviveu ao trauma.

Embora não se tenha registro do nome do pai, é sabido que o nome da menina era Kirkina Mucko. Kirkina viveu bem, apesar das pernas, e casou-se e teve filhos. Acabou se tornando uma parteira muito conhecida na região, e morreu em 1970.

Fonte

Comentários

Comentários


Deixe uma resposta

7 pensamentos em “A decisão de um pai