A vida como ela ainda é – O valor de um padrasto 3 Comentários


Você tem ou teve um padrasto? Será que um padrasto tem valor dentro de uma família? Então acompanhe a revelação que este homem teve.

A história a seguir foi encontrada na internet, entretanto, ela é real, e foram dadas provas do fato ocorrido. A história foi escrita originalmente em inglês e foi traduzida por este blog. Vale lembrar que esta história está sob o ponto de vista de quem está contando, ou seja, o padrasto. Leia a história e deixe sua opinião nos comentários.


Minha enteada vai se casar no dia 3 de agosto. O planejamento do casamento tem consumido a maior parte da vida dela e de sua mãe nos últimos seis meses – digo ‘de sua mãe’ porque não somos casados, mas temos vivido juntos por 10 anos.

Minha enteada se formou na universidade em dezembro passado. Eu paguei para ela ir para a faculdade – embora fosse uma faculdade pública, eu gastei ao todo R$80 mil. Ela não tem um emprego e está morando com a gente desde a universidade e continuou mesmo após a graduação. Eu também comprei um carro para ir e voltar da escola, quando ela terminou o ensino médio.

De vez em quando o caloteiro do seu pai aparecia em sua vida e ela caia de amores por ele novamente. Embora ele não tenha contribuído um centavo para a sua educação ou sustento dela – culpa da minha namorada que não quis fazer acordo quanto a pensão -, ela ainda o ama e quer tê-lo em sua vida. Ele fica o tempo suficiente para quebrar seu coração saindo da cidade e quebrando alguma promessa que ele fez a ela.

O local do casamento aceita 250 pessoas no máximo. Eu dei-lhes uma lista de 20 pessoas que eu queria convidar, já que eu estava pagando por tudo. Eles – a organização do casamento – me disseram que não era problema e que iriam cuidar da lista. Então eu informei aos meus amigos que estariam recebendo um convite e que eles reservassem a data. Eis que no sábado, encontrei um dos meus amigos, que estava nessa lista, e perguntei se ele iria ao casamento. Mas, ele me disse que ele não foi convidado. Ele me disse que não recebeu um convite, apenas um anuncio. Ele o tinha no carro e me mostrou. Com certeza, era apenas um anúncio, e meu nome não estava nele. Tinha o nome do pai, nome da mãe dela, mas não o meu.

Isto levou a uma briga muito grande com a minha namorada, já que eu descobri que ninguém da minha lista de vinte estava na lista de convidados porque “250 pessoas é muito apertado.” Fiquei chateado, mas não tinha o que fazer, porque as pessoas importantes de minha vida já haviam sido ofendidas. Minha GF disse: “Se algumas pessoas não responderem sim, eu poderia ser capaz de colocar um casal de pessoas” Mas isso foi um tapa na cara, na minha opinião. Então, eu estava fervendo de raiva no sábado.

Ontem, tivemos um jantar de domingo com a família do futuro genro e a nossa. E um convidado surpresa, o “verdadeiro pai”. Neste jantar a minha enteada anunciou que seu “verdadeiro pai” iria ao seu casamento e que agora ele iria leva-la ao altar. E então, ele foi saudado com “Excelente” e “Maravilhoso”.

Eu nunca senti tanta raiva e tanto desrespeito. Eu estava tremendo. Eu levei alguns segundos para me recompor, porque eu sinceramente não tinha certeza se eu iria chorar ou começar a dar socos ou ambos. Uma vez que eu tinha certeza de que eu seria capaz de falar, eu me levantei da minha cadeira e disse que eu gostaria de fazer um brinde. Não me lembro exatamente o que eu disse, mas em essência foi algo assim:

“Eu gostaria de fazer um brinde”. O som de colheres batendo em vidros. “Tem sido um grande prazer fazer parte dessa família durante os últimos dez anos.” Aaah, que bonito. “Neste ponto da minha vida eu sinto que tenho uma dívida de gratidão para com os noivos, porque eles abriram meus olhos para algo muito importante.” Sorrisos confiantes trocados. “Eles me mostraram que a minha posição nesta família não é a que eu pensava que era.” E agora um lampejo de confusão e choque começa a se espalhar nos rostos na sala. “Embora eu já tenha pensado em mim como o patriarca ou padrinho da família, respeitado e sendo que se procura em tempos de necessidade, ao que parece, minha verdadeira posição é de um caixa eletrônico, bom apenas para sacar dinheiro, nada mais. E como eu já foi substituído como anfitrião, tanto nos convites quanto na cerimônia, estou renunciando minhas obrigações financeiras e deixando-as para o meu sucessor, o ‘verdadeiro pai’. Então um brinde ao casal feliz e ao caminho que escolheram. ” Eu terminei minha bebida. “Agora, todos vocês podem ir embora.”

Isto foi egoísta? Eu teria que desembolsar R$100 mil por um casamento em que não posso convidar alguém? De quem eu não sou uma parte? Terminei com essa porcaria. Terminei com minha enteada. Terminei com minha namorada. Eu transferi o dinheiro da nossa conta conjunta na noite passada – ela não tinha um emprego desde que ela mudou comigo. Esta manhã eu liguei para todos os fornecedores que eu tinha enviado cheques em depósito para devolverem meu dinheiro. Parece que eu vou perder por volta de R$3 mil para o local, mas os outros fornecedores não me deram problemas.

Se você quer que seu “verdadeiro pai” esteja no convite, para levar-lhe ao altar e sentar-se na mesa principal, então seu “verdadeiro pai” pode pagar por tudo também.

O texto original pode ser encontrado aqui. E aí, o que você acha?

Comentários

Comentários


Deixe uma resposta

3 pensamentos em “A vida como ela ainda é – O valor de um padrasto