O que o Brasil ganha com o Impeachment da Dilma? 4


Vamos analisar algumas informações para uma reflexão sobre o que ganhamos com um possível impeachment da presidente Dilma

Faz meses que vejo e ouço pessoas pedirem pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, dentro e fora da internet. Mas, aparentemente, essas pessoas não são a maioria. Na verdade, seriam as mais barulhentas. E por causa de todo esse barulho, comecei a refletir sobre o assunto. E dessa reflexão surgiram várias perguntas. Decidi, então, buscar na internet as respostas a essas perguntas. Isso acabou deixando tudo mais confuso ainda, pois tudo o que eu encontrei foram pessoas que perguntavam se existe a chance da Dilma sofrer um impeachment, se existe uma base legal para o pedido, ou mesmo quem ficaria no lugar dela, caso ocorre o tal impeachment.

Manifestação pelo impeachment

Na minha opinião, estão fazendo as perguntas erradas. As verdadeiras perguntas a serem feitas são: o que o Brasil ganha com o impeachment de Dilma? O que vai mudar se ocorrer o impeachment? O que ganhamos com o impeachment de Dilma? Quem ganha com o impeachment de Dilma?

Infelizmente, eu não tenho, nem consegui respostas para essas perguntas. Pesquisei sites, li textos e pensei. Mas tudo o que tenho são algumas informações que devem ser levadas em consideração ao pensar sobre o impeachment.

1 – O que é o impeachment da Dilma

O impeachment da Dilma é, basicamente, poder tirá-la do cargo de presidente do Brasil, perdendo todos os poderes que o cargo possui. É como destituir o presidente de uma grande empresa. Só que neste caso, a grande empresa é o Brasil. Além disso, Dilma ficará inelegível por 8 anos.

Dilma Rousseff e Michel Temer

Nota: Ao que parece, ficar 8 anos sem concorrer a cargos políticos não parece ser um problema, pois Fernando Collor sofreu um impeachment em 1992, e atualmente é senador.

2 – O que acontece após o impeachment

Uma coisa que todos devem saber é que um impeachment não vai mandar a Dilma para a cadeia. Não vai mandar o PT para a cadeia. Não vai iniciar um processo que irá exterminar todo o partido. Além disso, quem governará o país no lugar de Dilma é o atual vice-presidente Michel Temer, que está filiado ao partido PMDB.

Nota: Eu fiquei curioso e fui pesquisar sobre os dois vice-presidentes que assumiram o poder no Brasil pós-ditadura militar. O José Sarney assumiu após a morte do presidente eleito Tancredo Neves. Na época, Sarney estava filiado ao PMDB. Já Itamar Franco assumiu após o impeachment de Fernando Collor. E olha só! A qual partido o Itamar estava filiado na época? PMDB. Que coincidência, não?

Como foi dito acima, quem se torna o presidente caso Dilma sofra impeachment é Michel Temer. A questão é se Temer continuaria o trabalho de Dilma, ou se ele iria para um caminho totalmente diferente. Outra questão importante é se o PMDB continuaria como aliado do PT, ou se aliaria o PSDB, ou mesmo ficaria “em cima do muro” em relação aos dois partidos. Uma questão importante: O posicionamento de Temer significaria a manter o que temos no momento, ou uma tentativa de mudança total?

E isso cria uma nova pergunta: Qual das duas situações seria a melhor para o Brasil?

Entretanto, eu sei que o que muitas pessoas querem é que sejam realizadas novas eleições. Para isso, seria necessário que Temer sofresse um impeachment, ou renunciasse.



3 – Novas eleições

Supondo que ocorresse um impeachment do Temer, o presidente do Senado comandaria o país e, caso tudo isso ocorresse antes de 2 anos de mandato, existiria a chance de ocorrerem novas eleições. Entretanto, o PT não ficaria de fora da disputa. Seria todo um processo eleitoral novo, com campanhas e tudo mais.

Conheço algumas pessoas que acreditam que caso fossem feitas novas eleições, o candidato do PSDB ganharia automaticamente. Mas, com certeza, eles jamais imaginariam que existiria a possibilidade do PT ser eleito novamente. Só de pensar nisso, eu não consigo deixar de rir.

4 – Quem quer o impeachment

Segundo o que já li, o PT – obviamente – não quer o impeachment. Da mesma maneira, o PMDB também não quer que ocorra o impeachment. Além disso, grande parte dos membros do PSDB também não quer que ocorra o impeachment – muitos preferem que Dilma continue sendo mal vista, pois facilitaria a vitória nas próximas eleições. Afinal, quem quer isso?

Eu li que Eduardo Cunha, o presidente da Câmara dos Deputados e um dos grandes nomes do PMDB, a favor do impeachment. Entretanto, muitos dizem que isso é porque Dilma “traiu” Cunha quando ela não o defendeu quando o mesmo foi investigado no processo do lava-jato.

Eduardo Cunha

Eu li que muitos dos membros do Congresso Nacional que pedem pelo impeachment de Dilma estão envolvidos no esquema do lava-jato.

Eu li que o impeachment acalmaria a revolta da população, dando a impressão que o problema estaria resolvido.

5 – A perda de poder do PT

Muitos querem o impeachment de Dilma porque com isso o PT perderia o poder, esperando que ele se torne um partido insignificante, ou mesmo que seja extinto. É verdade que o PT vai perder poder, mas, será que um partido tão grande pode desaparecer assim?

Uma das possibilidades que ouvi falar seria que tanto o impeachment quanto uma derrota nas próximas eleições seria a melhor coisa possível para o PT. Segundo esta teoria, quem assumisse o governo não conseguiria ajeitar todos os problemas em um período de tempo tão curto – 2 anos caso ocorressem novas eleições, 4 anos caso perdessem as eleições de 2018. Seria o tempo necessário para o PT se tornar a oposição que ela sempre soube ser, e voltar com ainda mais força atacando o governo que não conseguiu resolver os problemas a tempo e exaltando todas as qualidades que dos governos de Lula e Dilma. Afinal, o povo tem memória curta.

E se você acha esse cenário impossível, vou te lembrar de que Collor, o presidente que sofreu um impeachment, hoje é Senador.

Supondo que o PT comece a desaparecer, quem me garante que os políticos do PT não irão partir para outros partidos que os receberão de braços abertos? Afinal, são forças politicas e possuem influência em determinados grupos. E ainda existe a possibilidade de que eles criem um novo partido, do zero.


6 – Confiança

Uma coisa que não está sendo mencionada quando se fala em impeachment de Dilma é o problema da falta de confiança que irá causar nos investidores, especialmente em investidores internacionais. Você até pode perguntar “e daí?”, mas é bom que você se lembre na quantidade de multinacionais presentes no país, e do quanto acaba sendo útil a entrada e manutenção de investimentos estrangeiros, principalmente quando o dólar está acima de R$3.

Uma das preocupações estrangeiras está na possibilidade do governo brasileiro ser comandado por alguém do PMDB. Acontece que, lá fora, a capacidade de liderança do partido é um de seus pontos fracos. Além disso, vale informar sobre a confiança que investidores estrangeiros têm em Joaquim Levy, atual ministro da fazenda. Ele conseguiu convencer empresas e investidores – brasileiros e internacionais – de que Dilma é capaz de “tapar os buracos do navio”. Uma das preocupações é que se Dilma cair, Levy irá com ela. E a saída de Levy causará uma queda na confiança no Brasil.

Charge Laerte Impeachment

Charge do artista Laerte

Conclusão… Não… Continuação!

Este texto não é conclusivo. Estou totalmente aberto a discutir sobre o tema, e estou aceitando as opiniões daqueles que deixarem seus comentários. E estou disposto a fazer um novo post, analisando os seus comentários. E claro, apontem quaisquer erros que eu tenha cometido. Com eles, farei uma errata em um novo post.

Então, por favor, comentem e compartilhe este post para que possamos acrescentar mais pessoas nesta discussão!

Algumas das fontes consultadas:

Erratas e edições

  • O nome do vice-presidente é Michel Temer, e não Michael Temer, como estava escrito anteriormente. Entretanto, o erro ocorreu por causa da correção ortográfica automatizada, que “corrigiu” o nome. Agradecimento ao leitor Carlos.

  • Eduardo Cunha é presidente da Câmara dos Deputados, e não do Senado, como foi dito anteriormente.Agradecimento ao leitor Fernando.

Comentários

Comentários


Deixe uma resposta

4 pensamentos em “O que o Brasil ganha com o Impeachment da Dilma?

  • Fernando

    Eduardo Cunha é o presidente da Camara de Deputados, o presidente do senado é Renan Calheiros. Cunha não tem grande exprecividade no PMDB como foi colocado no texto, o que ele tem é uma influencia sobre uma bancada numerosa na camara, poucos do PMDB e na maioria da bancada evangélica.

  • Carlos

    Uma outra preocupação que bem cabe discutir é que, havendo impeachment, o executivo federal ficaria nas mãos de Michel (não Michael) Temer, deitando o país nos braços do partido mais fisiológico da nação, o PMDB, que já é dono da Câmara (Cunha) e do Senado (Renan). Tanto poder concentrado num único partido, cujo histórico não é recomendável, é um tremendo risco.
    Acho o governo de Dilma Rousseff ruim, mas penso que estamos nos focando apenas no executivo, ao mesmo tempo em que assistimos o Congresso sabotando cada tentativa da “Estelinha” de governar. Precisamos abrir nossos olhos para o fato de que o Congresso tem atuado contra o Brasil. Um dos meus estranhamentos é ver tanta pressão nos “administradores” do mensalão, dos quais vários foram condenados e/ou presos (merecidamente), enquanto os beneficiários do esquema (deputados e senadores) não sofreram nada. Não é estranho?

    • TheQuedolaomer

      O você acha que o PMDB é o quê? Evolução politico-econômica? Se o PMDB assumir definitivamente o poder, será um retrocesso de 30 anos na politica e na economia. Infelizmente quem manda o povo ser burro e não saber escolher seus candidatos não só do executivo como do legislativo.